BETA Analytic

Sediada em Miami, na Flórida, a BETA Analytic Inc. foi fundada em 1979 com o compromisso de atender a demanda pelos serviços de datação por radiocarbono, com uma pronta entrega e responsividade às necessidades dos clientes. A pronta entrega dos resultados foi essencial para a então emergente indústria arqueológica de contrato. A indústria da Gestão de Recursos Culturais, que hoje em dia está bem estabelecida, continua dependendo muito da Beta Analytic para atender às suas necessidades de datação por radiocarbono.

A promulgação do “Farm Security and Rural Investment Act” (Decreto de Segurança de Fazendas e Investimento Rural) de 2002 chamou a atenção dos gestores da Beta Analytic, tal como aconteceu quando da promulgação do “Archaeological Resource Protection Act” (Decreto de Proteção dos Recursos Arqueológicos) de 1979. A legislação de 2002 requer especificamente que as agências federais de aquisições comprem produtos com o maior conteúdo possível de base orgânica. Visto que o conteúdo de base biológica é uma medida do carbono atual em relação ao carbono de origem fóssil, apenas uma pequena modificação nos cálculos finais foi necessária para transformar uma “data de radiocarbono”1 em uma “certificação do conteúdo de base biológica”. Devido à já então existente experiência da Beta Analytic, ela estava bem posicionada para fornecer imediatamente um recurso confiável para a indústria emergente de fabricação de produtos de base biológica.

Em 2003, sob a orientação do USDA, o Centro CIRAS da Universidade Estadual de Iowa executou um programa para testar as capacidades da Beta Analytic (bem como as de vários outros laboratórios). Até junho de 2004, a Beta Analytic havia analisado mais de 200 produtos de base biológica sob condições controladas de teste, entregando todos os resultados dentro de uma a três semanas. Os resultados confirmaram a viabilidade da datação por radiocarbono para a certificação do conteúdo de base biológica e das capacidades comerciais da Beta Analytic na prestação de serviços de confiança.

Além disso, a Beta Analytic passou a fazer parte do Sub-Comitê D20.96 da Sociedade Americana de Testes de Materiais (ou “ASTM”) em 2004 para ajudar a criar o padrão ASTM para a análise do conteúdo de base biológica com o uso da datação por radiocarbono. Este padrão foi adotado em julho de 2004 com a denominação de ASTM D6866, o qual é atualmente utilizado para verificar a fração biogênica (de biomassa) de combustíveis heterogêneos e de emissões de CO2, tal como é requerido nos protocolos referentes aos gases de efeito estufa. Este método foi incorporado no Protocolo “Califórnia AB 32” e nos protocolos relacionados aos gases de efeito estufa da organização “The Climate Registry”.

Como uma variação do padrão ASTM D6866, o padrão CEN/TS 15747:2008 é usado para monitorar os combustíveis derivados de resíduos para o Esquema da União Européia de Comércio de Emissões.

A Beta Analytic apóia iniciativas no campo das mudanças climáticas e disponibiliza ferramentas para que as organizações analisem os combustíveis e outros materiais que estão sendo utilizados para cumprir os requisitos dos protocolos referentes aos gases de efeito estufa e os programas de energia renovável. Isto é alcançado tendo-se acesso à melhor tecnologia disponível capaz de entregar dados precisos, de forma eficiente e confiável. Compreendendo e satisfazendo esta necessidade, atualmente temos uma lista crescente de mais de 9.000 cientistas e engenheiros de mais de 30 países ao redor do mundo.

Em 2008, a Beta Analytic recebeu a certificação ISO/IEC 17025:2005, concedida pela “Perry Johnson Laboratory Accreditation”, reforçando sua reputação como um laboratório de análises competente e confiável.

Atualmente, a Beta Analytic é o maior laboratório de datação por radiocarbono de todo o mundo. Sua dedicação à precisão, confiabilidade e confidencialidade é o alicerce sobre o qual a convicção e a confiança de seus colegas são construídos.

1. Graven, Heather D; Guilderson, Thomas P; Keeling, Ralph F. Methods for High-Precision 14C AMS Measurement of Atmospheric CO2 at LLNL. RADIOCARBON, Vol. 49, No. 2, 2007, págs. 349 a 356.