COVID-19 Notice: WE ARE OPEN AND OPERATING NORMALLY
Beta Analytic, as a laboratory, is considered an essential business under Florida's statewide Stay-at-Home Order. Taking the necessary measures to maintain employees' safety, we continue to operate and accept samples for analysis. Please contact us BEFORE sending your samples so we can recommend you the best way to proceed.

Biocombustíveis para a aviação: O futuro dos combustíveis para aviões

jets flying on biofuelsDevido ao aumento dos preços do petróleo e às preocupações ambientais, a indústria aérea vê agora os biocombustíveis como alternativa para o combustível de avião derivado do petróleo. Testes de voo utilizando biocombustíveis já estão sendo realizados enquanto a indústria busca alternativas limpas e de baixo custo à querosene como combustível de avião.

O método ASTM D6866 para misturas de biocombustíveis para aviões

O método ASTM D6866 está sendo empregado para os biocombustíveis sendo desenvolvidos para aviões. O método determina a porcentagem exata do combustível derivada de fontes renováveis (plantas) ao medir a quantidade de carbono 14 presente. Quaisquer materiais derivados de biomassa possuem carbono 14, enquanto os de origem fóssil não apresentam carbono 14. Portanto, o método ASTM D6866 pode ser utilizado como uma ferramenta de verificação para conferir a exatidão dos teores de misturas de biocombustíveis. Você pode obter mais informações sobre o método ASTM D6866 aqui.

Extratos vegetais ricos em energia como biocombustíveis

camelina plant for biofuel productionHá várias plantas cujos extratos estão sendo testados como combustíveis para aviões. Entre elas estão a soja, canola, camelina, pinhão-manso e algas. A queima de combustíveis derivados dos extratos dessas plantas não contribui para o aquecimento global porque o produto de sua combustão é dióxido de carbono neutro em carbono.

Apesar da soja e da canola terem produzido misturas de combustíveis promissoras para aviões, elas são cultivos alimentícios, e seu uso para fins não alimentícios está sendo criticado em debates sobre comida versus combustíveis.

Combustíveis para aviões derivados de camelina, pinhão-manso e algas

A camelina é um talo floral que pode alcançar muitos centímetros de altura, e pode ser cultivada em campos de trigo deixados em pousio. O combustível derivado de camelina já foi utilizado no voo de um Boeing 747 da Japan Airlines de 90 minutos.

jatropha plant for jet biofuels

Outra matéria-prima é o pinhão-manso, um arbusto venenoso que pode chegar a quase três metros de altura em solo que não suporta o cultivo de alimentos. Assim como o pinhão-manso, as algas podem desenvolver-se em águas poluídas, portanto, o cultivo de grandes quantidades não apresenta um problema. No entanto, a extração de óleo dessas duas plantas é complexa.

Os óleos extraídos do pinhão-manso e de algas foram misturados com 50% de combustível comum de avião, e a mistura foi utilizada por um Boeing 737 da Continental Airlines para concluir um teste de voo de duas horas saindo de Houston – o primeiro voo comercial dos Estados Unidos a utilizar um biocombustível. Há registros de que a Japan Airlines utilizou uma mistura de camelina, pinhão-manso e alga para um teste de voo.