COVID-19 Notice: The lab is currently operating as usual and following the safety recommendations from the government in Florida. We will continue to monitor the situation closely to ensure employee safety.

Due to these unprecedented times, the situation may change at any moment, and we encourage you to contact us before sending your samples so we can recommend you the best way to proceed.

Por que verificar o bioetanol?

O etanol é facilmente produzido por hidrólise de etileno, um importante petroquímico. Anualmente, são produzidas duas milhões de toneladas de etanol derivado de petróleo. Os principais fornecedores de etanol são a África do Sul e a Arábia Saudita, mas também existem grandes usinas nos Estados Unidos, Europa e Japão. O etanol derivado de petróleo (etanol sintético) é amplamente utilizado como solvente industrial, além de ter uma considerável variedade de outras aplicações.

Identificar a origem do etanol serve quatro importantes propósitos:

  1. Proteger os interesses de produtores de biomassa e empresários que investem na produção de bioetanol.
  2. Garantir que o etanol importado declarado como bioetanol parte de uma fundamentação correta e honesta.
  3. Impedir fraudes ou outras representações desonestas do etanol como bioetanol, visando obter créditos fiscais.
  4. Proporcionar um único número de referência (utilizando a ASTM D6866) a ser incluído às exigências contábeis relacionadas aos créditos fiscais, distribuição, utilização e consumo de bioetanol.

Os créditos fiscais atribuídos ao etanol na gasolina (Lei de políticas de energia H.R.6, de 2005) se aplicam ao bioetanol, e não ao etanol derivado de petróleo. A emissão desses créditos fiscais exigirá uma certificação de que o etanol origina de fontes renováveis. A análise científica reconhecida é a ASTM D6866, que faz a distinção inequívoca e quantitativa entre materiais derivados de combustíveis fósseis e materiais derivados de biomassa contemporânea.

O método ASTM D6866 para a verificação de bioetanol

A ASTM D6866 protege os interesses de investidores e produtores de biomassa que investem na produção de bioetanol. O método é utilizado rotineiramente pela USDA na identificação de produtos de base biológica, e é aplicado sem modificações na identificação e quantificação de bioetanol.

Os importantes créditos fiscais pelo bioetanol na gasolina incitam alguns indivíduos inescrupulosos a utilizarem o etanol sintético. Antecipa-se que a ocorrência mais comum é a diluição de bioetanol com etanol sintético. A ASTM D6866 é uma técnica quantitativa capaz de apontar claramente qualquer diluição significante.

A ASTM D6866 protege a indústria de bioetanol porque ela restringe essa fraude. Uma certificação ASTM D6866 é a condição necessária para cada lote de bioetanol apresentado para créditos fiscais.

A ASTM D6866 utiliza a técnica de datação por radiocarbono. A biomassa possui carbono 14, enquanto materiais fósseis não mais apresentam esse isótopo levemente radioativo. Medir as concentrações de carbono 14 em uma amostra de etanol mostrará se o etanol foi fabricado a partir de materiais renováveis ou fósseis. Também antecipa-se que, em alguns casos, haverá uma mistura de bioetanol e etanol sintético.

Em amostras com ambos os tipos de etanol, a ASTM D6866 determinará quantitativamente a porcentagem de bioetanol, para que o crédito fiscal apropriado seja concedido. Da mesma forma, a ASTM D6866 é uma análise aplicável para gasolina a granel contendo concentrações variadas de bioetanol. A análise indicará a quantidade de material renovável no total do líquido. No entanto, é necessário certificar-se de que a gasolina está bem misturada para que uma pequena amostra retirada seja representativa de todo o tanque de armazenamento. Isso é sempre importante no que diz respeito a análises de materiais a granel.

A análise ASTM D6866 não só mede o teor de carbono 14 da amostra de etanol, mas também de carbono 13, o isótopo de carbono mais estável. A medição de carbono 13 é parte integral da datação por radiocarbono. Ela é também, em alguns casos, uma forma de verificar a fonte da biomassa utilizada na produção do etanol. Entretanto, o carbono 13 não é adequado para determinar de forma precisa o teor de materiais renováveis em relação aos fósseis, em misturas.

Por exemplo, apesar de o petróleo e o milho terem concentrações diferentes de carbono 13, o carbono 13 de outros materiais de biomassa apresentam valores bastante variáveis. Alguns materiais adequados para a produção de bioetanol, como a beterraba, a batata doce, a uva e outras frutas, possuem valores de carbono 13 que são geralmente indistinguíveis dos valores do petróleo. A consequência disso é resultados ambíguos em análises de carbono 13, no caso de diluições de bioetanol com dez ou vinte por cento de etanol sintético. Por outro lado, a análise com datação por radiocarbono é capaz de mostrar essa diluição de forma clara.

Para mais detalhes sobre o processo de datação por radiocarbono, consulte ASTM D6866.